Uma pessoa morre a cada 36 horas no trânsito de Fortaleza

PUBLICIDADE Apoios 1

A cada um dia e meio do primeiro semestre deste ano, uma pessoa morreu nas ruas de Fortaleza vítima de acidente de trânsito.

Contudo, as 121 vítimas do período representam a menor quantidade de óbitos nas ruas da Capital em mais de dez anos. Tendência de motociclistas e pedestres serem a maior parcela das vítimas permanece.

Para este semestre, a Prefeitura prevê conjunto de intervenções preventivas que começam a ser aplicadas agora, na Semana da Mobilidade Urbana, lançada ontem.

Desde o primeiro semestre de 2014, o número de mortes no trânsito tem redução. Naquele ano, foram 193, entre janeiro e junho. Em 2015, o número caiu para 145. No ano passado, até junho, foram 126. “Celebramos avanços importantes, mas que precisam ser continuados”, afirmou o prefeito Roberto Cláudio (PDT).

Ele atribuiu a redução da mortalidade às ações de fiscalização e mobilidade implantadas pela Prefeitura. Conforme dados apresentados ontem pelo Município, a maior resposta foi dada pelos condutores de automóveis. No primeiro semestre de 2016, houve dez mortes causadas por acidente com esse tipo de veículo. Neste ano, foram duas.

Motociclistas são os que mais morrem em Fortaleza. Sobre duas  rodas estavam 45,8% das vítimas de acidentes fatais. Pedestres representam 38,1% dos mortos. Dados do Instituto Doutor José Frota (IJF) indicam que 61% dos acidentados no trânsito atendidos na unidade envolvem pessoas que estavam em motos.

Para Luiz Alberto Sabóia, secretário da Conservação e dos Serviços Públicos (SCSP), o maior desafio é mudar hábitos dos condutores e convencê-los da importância de adotar práticas mais seguras. “Os fatores de risco estão quase sempre associados a opções que as pessoas fazem: beber e dirigir, exceder a velocidade, não usar cinto e capacete. Mudar esses comportamentos não é fácil”, disse.

A expectativa dos gestores é de que a queda no número de óbitos se mantenha e não ultrapasse 255 até dezembro. Em 2016, foram 278. Mudanças

O superintendente da Autarquia Municipal do Trânsito e Cidadania (AMC), Arcelino Lima, explicou que novas ações devem ser implantadas no semestre para prevenir riscos. “Mapeamos bairros com maior número de acidentes com moto, que são principalmente nas imediações das avenidas Osório de Paiva e Leste-Oeste, e estamos focando nossas ações”, disse. Ele destacou ainda a implantação de bolsões exclusivos para motocicletas nos semáforos e a redução de velocidade em alguns trechos de vias.

A Prefeitura deve ainda promover mudanças em vias da Capital. A rua General Sampaio, no Centro, irá ganhar faixa exclusiva de ônibus. Já a avenida Desembargador Gonzaga, na Cidade dos Funcionários, passará por requalificação. A via receberá ciclofaixa bidirecional, faixa de pedestre em X e novos semáforos.

Serviço

Programação da Semana da Mobilidade Urbana Painel Segurança no trânsito e seus impactos na sociedade Quando: amanhã, às 9 horas Onde: Escola de Mobilidade Urbana (rua Major Virgílio Borba, Dionísio Torres) Corredor Cultural do Benfica Quando: domingo, 24, das 7 horas ao meio-dia Onde: Avenida da Universidade (entre as ruas Paulino Nogueira e Juvenal Galeno)

Trânsito de Fortaleza

 

PUBLICIDADE Apoio 2

Comentários

Comentários

Marcio Sousa

Radialista profissional há mais de 15 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *