Ferroviário bate o Fortaleza no 1º confronto das semifinais

PUBLICIDADE Apoios 1

Mota foi criado no Ferrão, já esteve no Ceará e hoje defende o Tubarão da Barra muito mais para ajudar o clube do que, propriamente, para viver do futebol. Mas, na tarde deste domingo (2), o experiente atacante mostrou que não passa invisível. Na vitória do Ferroviário sobre o Fortaleza por 2 a 0, na primeira semifinal do Cearense, no Castelão, ele marcou no primeiro tempo. Um minuto depois, o assistente anulou o gol. Começou o imbróglio, com os jogadores do Ferroviário reclamando. Não deu solução. No segundo tempo, o atacante não perdoou. Viu Tony Belém abrir o placar e depois, com estilo, deixou a marca dele. O estádio, gigante de Copa do Mundo, que presenciou gritos de “olé” vindos da torcida do Tubarão da Barra – e do próprio Tricolor do Pici – no fim.

No primeiro tempo, o Fortaleza teve boas chances com Delamore e Lúcio Flávio, mas o primeiro chute foi na rede pelo lado de fora e o segundo foi defendido por Mauro. Sem precisão, sem pontaria, o Tricolor do Pici esbarrava no quase. O Ferroviário ousava. Aos 31, Mota balançou as redes. O assistente chegou a correr para o meio e validar o gol. Mas depois voltou atrás. Impedimento. Coisas que só acontecem com o Ferrão? Seguia o placar em 0 a 0. Rodrigo Mancha ainda arriscou no fim, e Mauro, novamente, mostrou que o Tubarão não estava ali para baixar a cabeça para o time do Pici.

E, se quem foi ao Castelão tinha algum pré-conceito de vencedor do jogo, se surpreendeu. Porque, no segundo tempo, quem cadenciou o jogo foi o Ferrão. Tony Belém, de cabeça, anotou o primeiro gol do Tubarão da Barra, após toque certo de Mimi. Mimi, que foi um dos melhores do confronto ao lado do meia Jonathas. Vitinho e Gustavo ainda poderiam ter ampliado, mas encontraram em Boeck a fortaleza que os impediu.

O Ferroviário tem Mota. E, após dominar no peito, o atacante não perdoou. Desentalou o grito contido, do primeiro tempo. No Castelão, pouco brilho do time comandado por Marquinhos Santos. O Fortaleza foi ofuscado pelos gritos de “olé” vindos da arquibancada e pelo Ferrão, que há sete anos não vivia a emoção de uma semi. E soube se comportar.

As equipes voltam a se encontrar no domingo (9), às 16 horas, na Arena Castelão.

PUBLICIDADE Apoio 2

Comentários

Comentários

Marcio Sousa

Radialista profissional há mais de 15 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *