Ciro diz que Doria é um “espertalhão” e que chapa com Marina seria “grande honra”

PUBLICIDADE Apoios 1

Ex-governador do Ceará e pré-candidato à Presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes não poupou críticas a seus eventuais concorrentes em 2018 durante entrevista ao SBT. Afirmou que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) é só “um espertalhão” e que o deputado Jair Bolsonaro (PSC) é “um protesto contra a política”.

A entrevista com Ciro Gomes foi exibida nesta segunda-feira (2) no telejornal SBT Brasil e a íntegra é parte da série Cenários 2018, em que o jornalista Kennedy Alencar receberá diversos políticos para tratar sobre os rumos para o Brasil. O primeiro entrevistado foi o atual prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB-SP), na semana passada. Em seguida, o entrevistado foi o ex-prefeito Fernando Haddad.

Após reforçar que discorda governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, “em quase tudo”, Ciro afirmou, porém, que o tucano é “uma direita respeitável, votável”, apesar de sua “visão elitista, paroquial”.

Ciro disse aina que os bens de Doria são fruto do lobby feito por Doria ao longo dos anos com dinheiro dos governos ocupados pelo PSDB no país. “Faz fortuna sem nunca ter tido uma roça. Não tem uma fábrica de arruela e a fortuna veio de onde?”, disse Ciro.

Ele mesmo responde a seu questionamento: “É do lobby, com dinheiro dos governos ocupados pelo PSDB. É politiqueiro, é o pior tipo de político que existe”.

Ciro aparece com 4% das intenções de voto em cenário em que Lula disputa o pleito, segundo o Datafolha. Sem Lula na disputa, as intenções dos eleitores sobre o pré-candidato do PDT variam de 7% a 10%. Em todos os cenários de primeiro turno, Lula aparece na liderança das pesquisas com pelo menos 35% das intenções de voto. O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC) e a ex-senadora Marina Silva (Rede) empatam em segundo lugar.

Questionado sobre uma eventual chapa Ciro-Marina, Ciro afirmou que “pode perfeitamente [se concretizar]”. Após dizer que a pré-candidata pela Rede é uma “amiga, companheira”, o ex-ministro afirmou que ela não pode ter como primeira experiência no executivo o posto de presidente.

Ele ressalvou, entretanto, que Marina “hoje, eleitoralmente, é bem maior” do que ele e que seria “uma grande honra” formar uma chapa para disputar a Presidência ao lado dela.

PUBLICIDADE Apoio 2

Comentários

Comentários

Marcio Sousa

Radialista profissional há mais de 15 anos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *